SEAC-MG SEAC-MG

Online 63 - Duas novas ações questionam no STF Lei da Terceirização

Online Nº 63

Chegaram ao Supremo Tribunal Federal (STF) mais duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade para questionar a Lei 13.429/2017, a chamada Lei da Terceirização, sancionada pelo presidente da República em 31 de março último. Os autores das ações são, respectivamente, a CNPL (Confederação Nacional das Profissões Liberais) e Partido dos Trabalhadores e Partido Comunista do Brasil. A norma em questão dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dispõe sobre as relações de trabalho na empresa de prestação de serviços a terceiros.

Para a confederação, a terceirização ampla e irrestrita, posta na nova lei, ofende fundamentos basilares da República Federativa do Brasil, previstos na Constituição Federal, entre eles princípio da dignidade da pessoa humana; a consagração dos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; a busca pela construção de uma sociedade livre, justa e solidária e a prevalência dos direitos humanos.

Já os partidos políticos defendem a inconstitucionalidade da norma por entender que a lei pretende impor a regulamentação ampliada e irrestrita das contratações pela via dos contratos temporários e da terceirização, em afronta a direitos fundamentais, tais como os direitos sociais, além de menosprezar princípios sobre os quais foram insculpidas a proteção do trabalho e sua normatização.

Alegam também ofensa a convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que instituem parâmetros relacionados à dignidade das relações de trabalho, incorporadas ao ordenamento jurídica nacional. As ações estão sob relatoria do ministro Gilmar Mendes, que já relata a ADI 5685, ajuizada pela Rede Sustentabilidade contra a mesma norma.

Sobre o tema, o ministro Celso de Mello julgou extintos os Mandados de Segurança (MSs) 34708, 34711, 34714 e 34719, impetrados por parlamentares federais contra a tramitação do projeto de lei que deu origem à Lei da Terceirização. De acordo com o decano do Supremo, a jurisprudência do STF entende que, concluído o processo de elaboração legislativa e dele havendo resultado a edição de lei, não mais subsiste a legitimidade de membros do Congresso Nacional para mandado de segurança. Ainda segundo o ministro, promulgada e publicada determinada espécie normativa, a única possibilidade, em tese, de contestá-la reside na instauração do concernente processo objetivo de fiscalização abstrata de constitucionalidade.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região

Online 62 - Terceirização: Plenário do STF define limites da responsabilidade da administração pública

Online Nº 62

O Plenário do Supremo Tribunal Federal concluiu, nesta quinta-feira (30), o julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 760931, com repercussão geral reconhecida, que discute a responsabilidade subsidiária da administração pública por encargos trabalhistas gerados pelo inadimplemento de empresa terceirizada. Com o voto do ministro Alexandre de Moraes, o recurso da União foi parcialmente provido, confirmando-se o entendimento, adotado na Ação de Declaração de Constitucionalidade (ADC) 16, que veda a responsabilização automática da administração pública, só cabendo sua condenação se houver prova inequívoca de sua conduta omissiva ou comissiva na fiscalização dos contratos.

Na conclusão do julgamento, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, lembrou que existem pelo menos 50 mil processos sobrestados aguardando a decisão do caso paradigma. Para a fixação da tese de repercussão geral, os ministros decidiram estudar as propostas apresentadas para se chegar à redação final, a ser avaliada oportunamente.

Desempate

Ao desempatar a votação, suspensa no dia 15 de fevereiro para aguardar o voto do sucessor do ministro Teori Zavascki (falecido), o ministro Alexandre de Moraes ressaltou que a matéria tratada no caso é um dos mais profícuos contenciosos do Judiciário brasileiro, devido ao elevado número de casos que envolvem o tema. “Esse julgamento tem relevância no sentido de estancar uma interminável cadeia tautológica que vem dificultando o enfrentamento da controvérsia”, afirmou.

Seu voto seguiu a divergência aberta pelo ministro Luiz Fux. Para Moraes, o artigo 71, parágrafo 1º da Lei de Licitações (Lei 8.666/1993) é “mais do que claro” ao exonerar o Poder Público da responsabilidade do pagamento das verbas trabalhistas por inadimplência da empresa prestadora de serviços.

No seu entendimento, elastecer a responsabilidade da Administração Pública na terceirização “parece ser um convite para que se faça o mesmo em outras dinâmicas de colaboração com a iniciativa privada, como as concessões públicas”. O ministro Alexandre de Moraes destacou ainda as implicações jurídicas da decisão para um modelo de relação público-privada mais moderna. “A consolidação da responsabilidade do estado pelos débitos trabalhistas de terceiro apresentaria risco de desestímulo de colaboração da iniciativa privada com a administração pública, estratégia fundamental para a modernização do Estado”, afirmou.

Voto vencedor

O ministro Luiz Fux, relator do voto vencedor – seguido pela ministra Cármen Lúcia e pelos ministros Marco Aurélio, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes – lembrou, ao votar na sessão de 8 de fevereiro, que a Lei 9.032/1995 introduziu o parágrafo 2º ao artigo 71 da Lei de Licitações para prever a responsabilidade solidária do Poder Público sobre os encargos previdenciários. “Se quisesse, o legislador teria feito o mesmo em relação aos encargos trabalhistas”, afirmou. “Se não o fez, é porque entende que a administração pública já afere, no momento da licitação, a aptidão orçamentária e financeira da empresa contratada”.

Relatora

O voto da relatora, ministra Rosa Weber, foi no sentido de que cabe à administração pública comprovar que fiscalizou devidamente o cumprimento do contrato. Para ela, não se pode exigir dos terceirizados o ônus de provar o descumprimento desse dever legal por parte da administração pública, beneficiada diretamente pela força de trabalho. Seu voto foi seguido pelos ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

Fonte: Supremo Tribunal Federal

Mais artigos...

  1. Online 61 - Presidente Sanciona Lei que Dispõe sobre Trabalho Temporário e Terceirização
  2. Online 59 - Vigia que trabalhava em local sem banheiro receberá indenização por danos morais
  3. Online 58 - STF suspende julgamento sobre responsabilidade da administração por inadimplemento de empresa terceirizada
  4. Online 57 - Súmula trabalhista que impunha justificativa para demissão é suspensa
  5. Online 56 - TRT-ES atropela Supremo e cria súmula que proíbe demissão sem justificativa
  6. Online 55 - Anúncios em jornais e internet provam que empresa tentou preencher vaga para deficiente
  7. Online 54 - Empresa só é obrigada a emitir CAT se acidente afastar o empregado do serviço por mais de 15 dias
  8. Online 53 - Em caso de trabalho perigoso ou insalubre, prova pericial é imprescindível
  9. Online 52 - Pareceres em matéria trabalhista formulados desde 1950 estão disponíveis na internet
  10. Online 51 - Estado só responde por terceirização com prova de culpa na fiscalização
  11. Online 50 - Portaria MPOG n.º 409 dispõe sobre as garantias contratuais ao trabalhador na execução indireta de serviços e os limites à terceirização de atividades
  12. Online 49 - Cálculo para aprendizes deve levar em conta porteiros e faxineiros, define TST
  13. Online 49 - Turmas analisam validade de normas coletivas com base nos limites da autonomia negocial dos sindicatos
  14. Online 48 - Porteiro de condomínio que entregou atestado médico falso não consegue reversão da justa causa
  15. Online 47 - Aviso-prévio proporcional ao tempo de serviço também pode ser aplicado a favor do empregador
  16. Online 46 - Aviso-prévio proporcional ao tempo de serviço também pode ser aplicado a favor do empregador
  17. Online 44 - Portaria Regulamenta as Prerrogativas da Advocacia no Âmbito do Ministério do Trabalho
  18. Online 43 - STF considera inviável recálculo de aposentadoria por desaposentação sem previsão em lei
  19. Online 42 - Suspensos os efeitos de decisão em dissídio coletivo julgado sem a concordância do sindicato patronal
  20. Online 41 - STF suspende todos os processos e decisões trabalhistas sobre ultratividade de acordos
  21. Online 40 - Adicionais de insalubridade e periculosidade não são acumuláveis, diz TST
  22. Online 39 - Servente da MGS que limpava celas e banheiros coletivos em delegacia de polícia receberá adicional de insalubridade
  23. Online 38 - Recuperação judicial da empresa não impede prosseguimento da execução contra os sócios na JT
  24. Online 35 - Motorista de empresa logística não entra em cálculo de cota de aprendiz
  25. Online 33 - Supremo admite jornada de trabalho de 12 horas
  26. Online 31 - TRF-3 autoriza uso do FGTS em caso de doença grave de filho
  27. Online 30 - Divulgado o novo cronograma oficial do eSocial
  28. Online 29 - Resolução n.º 2 dispõe sobre o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) e prorroga sua implantação
  29. Online 28 - Terceirizadas devem contratar aprendizes
  30. Online 27 - Previdência privada não pode ser penhorada para quitar dívida trabalhista
  31. Online 26 - Tempo gasto no deslocamento para o refeitório não gera hora extra
  32. Online 25 - Turma entende não ser discriminatória dispensa de gestante ao fim do contrato de experiência se empregador não tinha ciência da gravidez
  33. Online 24 - Tomadora de serviço pode ser executada antes de sócios de terceirizada
  34. Online 23 - Justiça do Trabalho promove mutirão para garantir pagamento de dívidas trabalhistas
  35. Online 22 - Ministra Kátia Arruda defende o cumprimento da Lei da Aprendizagem em audiência pública na Câmara dos Deputados
  36. Online 21 - Cláusula que previa prorrogação automática de contrato de experiência é considerada nula
  37. Online 20 - Oficial de manutenção que limpava caixas de esgoto e gordura em laboratórios ganha adicional de insalubridade
  38. Online 19 - Professores da UFMG são contra aprovação do novo Código Comercial
  39. Online 18 - A Correção Monetária dos Débitos Trabalhistas
  40. Online 17 - Depósitos recursais têm novos valores a partir de 1º de agosto
  41. Online 16 - Vigia não tem direito a adicional de periculosidade de 30% pago a vigilantes
  42. Online 15 - Convenção de trabalho deve ser do estado onde o trabalhador atua
  43. Online 14 - Revista realizada de forma impessoal e geral a todos os empregados não configura dano moral
  44. Online 13 - eSocial em setembro é inviável; novos prazos são discutidos
  45. Online 12 - Débitos trabalhistas devem ser corrigidos pela TR, decide STF
  46. Online 11 - Ministério do Planejamento faz consulta pública para reformular IN nº 02/2008
  47. Online 10 - Alíquota do SAT varia para filiais com CNPJ's e graus de risco diferentes
  48. Online 09 - Tempo gasto com uniforme é computado como hora extra
  49. Online 08 - Garantidos o benefício de prestação continuada à criança com microcefalia e licença-maternidade de 180 dias à mãe de criança acometida por sequelas neurológicas causadas pelo Aedes aegypti
  50. Online 07 - Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle Institui, por Portaria, Grupo de Trabalho para Formular Propostas de Revisão da Lei de Licitações
  51. Online 06 - Ente estatal só pode responder por terceirizado se culpa for comprovada
  52. Online 05 - Turma aplica Súmula 48 do TRT-MG e absolve de multa empresa que fez depósitos rescisórios no prazo certo e homologação tardia
  53. Online 04 - TJP 09 e Súmulas 54 e 55 do TRT-MG pacificam questões envolvendo execução de empresas em recuperação judicial
  54. Online 03 - Após dispensa, empresa pode preencher vaga de deficiente em outra filial
  55. Online 02 - Orientação Normativa n.º 2 visa o aperfeiçoamento dos procedimentos realizados nos pregões eletrônicos
  56. Online 01 - TST livra empresa de multa por não cumprimento de cota de deficientes

Rua Uberlândia, 877, Carlos Prates, Belo Horizonte - Minas Gerais - CEP 30710-230
Telefax: (31) 3278-3008 

Horário de Funcionamento:
Segunda à sexta-feira das 8 às 12h e das 13 às 17 horas

by MacWeb Solutions