SEAC-MG SEAC-MG

Online 49 - Turmas analisam validade de normas coletivas com base nos limites da autonomia negocial dos sindicatos

24.11.16
Online 49

Dois processos recentes julgados pelas Turmas do Tribunal Superior do Trabalho trataram dos limites da autonomia negocial coletiva, levando em conta a disponibilidade dos direitos negociados e as contrapartidas oferecidas ao trabalhador em troca da renúncia a algum direito previsto em lei.

Horário noturno

No primeiro caso, a Primeira Turma não conheceu do recurso do Sindicato dos Empregados em Empresas de Segurança e Vigilância do Estado da Bahia (Sindvigilantes) contra decisão que julgou válida norma coletiva que majorou o percentual do adicional noturno para compensar o não pagamento da parcela sobre as horas trabalhadas em prorrogação do horário noturno. A Turma manteve a validade da norma por entender que ela é benéfica ao empregado.

O artigo 73, parágrafo 2º da CLT define como trabalho noturno aquele realizado no período de 22h às 5h. A Súmula 60 do TST, por sua vez, considera que é devido o adicional também sobre as horas prorrogadas, quando a jornada é cumprida integralmente no período noturno

Com base nesses dispositivos, o Sindvigilantes ajuizou ação contra a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a empresa Segurança e Vigilância da Bahia Ltda. (Seviba) pleiteando, em nome de sete trabalhadores com jornada de 22h às 7h, o pagamento do adicional noturno por todo o período, no percentual de 35% da hora normal, conforme previsão na cláusula coletiva. O sindicato pretendia a aplicação ao caso da Súmula 60.

O juízo da 27ª Vara do Trabalho de Salvador (BA) julgou improcedente o pedido, ao verificar que a jornada era compensada com base nas normas coletivas. O Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA) manteve a sentença, por constatar que a norma, prevista nas convenções coletivas de trabalho, estabelecia como trabalho noturno o realizado de 22h às 5h, não sendo possível considerar a prorrogação da hora noturna para efeito de incidência do adicional.

No recurso ao TST, o Sindvigilantes sustentou no recurso ao TST a invalidade da cláusula coletiva relativa ao horário noturno e o direito dos trabalhadores ao adicional de 35% por todo o período. Mas o relator, ministro Walmir Oliveira da Costa, observou que a jurisprudência do TST reconhece a validade de norma que exclui o pagamento do adicional sobre a jornada noturna após as 5h se houver, em contrapartida, benefícios para o trabalhador.

No caso, o ministro assinalou que, segundo o TRT, as partes celebraram norma coletiva acordando o pagamento do adicional noturno em percentual superior ao legal, em contrapartida ao não pagamento da parcela sobre as horas trabalhadas em prorrogação do horário noturno (das 5h às 7h). "Assim, é inegável que a negociação coletiva se apresenta como benéfica ao empregado, devendo ser declarada válida", concluiu.

Horas extras

Em outro caso envolvendo negociação coletiva, a Sétima Turma manteve decisão que considerou nula cláusula que instituía pagamento da parcela "prêmio-produção" para compensar horas extras eventualmente prestadas. A hipótese, segundo o relator, ministro Caputo Bastos, não está amparada no ordenamento jurídico, que não permite a limitação, mediante acordo ou convenção coletiva, de direitos trabalhistas protegidos por norma constitucional.

O processo foi movido por um ajudante de caminhão contratado pela Trans-Dox Transportes Ltda. para prestar serviços à Ragi Refrigerantes Ltda., que pedia diferenças de horas extras. A transportadora, em sua defesa, afirmou que as horas extras foram pagas com o "prêmio produção", paga a motoristas e ajudantes em valores variáveis, conforme o número de entregas, para compensar e quitar os eventuais excessos de jornada.

O juízo da 2ª Vara do Trabalho de São Bernardo do Campo (SP) verificou, nos controles de jornada, que o valor do prêmio era inferior às horas extras devidas. Segundo a sentença, o sindicato não tem poderes para transigir sobre direitos individuais e nem pode firmar acordo visando ampliar a jornada máxima prevista pela Constituição Federal sem o pagamento da remuneração prevista por ela. O magistrado assinalou que o procedimento adotado obriga o empregado a cumprir jornadas absurdas para aumentar salário por meio das entregas, (no caso, às vezes de 4h32 às 21h26), violando a legislação que permite a prorrogação de no máximo duas horas diárias.

Mantida a sentença pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP), a Trans-Dox tentou reformá-la com recurso ao TST. Mas o relator, ministro Guilherme Caputo Bastos, manteve a decisão, explicando que, mesmo protegido pela Constituição Federal o direito dos sindicatos à negociação, no âmbito da autonomia privada coletiva, não autoriza a supressão de direitos que constituem garantias, direitos e princípios constitucionais inderrogáveis. Caputo Bastos observou que o artigo 7º, inciso XVI, da Constituição Federal garante ao trabalhador a remuneração do serviço extraordinário no mínimo em valor 50% superior ao da hora normal, não cabendo, assim, o pagamento de "prêmio produção" para compensar as horas extras independentemente daquelas efetivamente prestadas.

Processos: RR-93400-46.2008.5.05.0027 e RR-27-27.2010.5.02.0462

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho

Online 48 - Porteiro de condomínio que entregou atestado médico falso não consegue reversão da justa causa

21.11.16
Online 48

Se o empregado viola de forma grave as principais obrigações do contrato de trabalho, abalando a confiança nele depositada de forma que torne impossível a continuidade da relação de emprego, está configurada a justa causa para a sua dispensa. É o que ocorre, por exemplo, se o trabalhador tenta justificar faltas entregando atestado médico falsificado, o que configura ato de improbidade (artigo 482, a, da CLT).

Foi justamente nessa modalidade de justa causa que a juíza Luciana Alves Viotti, na titularidade da 39ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, enquadrou a justa causa aplicada ao porteiro de um condomínio, negando provimento ao seu pedido de reversão da penalidade que lhe foi aplicada. Segundo alegou o porteiro, não houve razão para a justa causa, uma vez que não entregou ao condomínio atestado médico falso e não tem ciência de como o documento foi entregue na administração. Acrescentou que foi vítima de discriminação pela síndica e que soube, por meio de um morador, que houve uma revolta grande no prédio em razão de sua dispensa. Na versão do condomínio, porém, houve a entrega de um atestado médico de nove dias pelo porteiro, fato esse que causou estranheza, uma vez que o trabalhador já havia avisado que faltaria, motivo que levou à investigação da autenticidade do atestado.

Por seu turno, a tese do trabalhador no sentido de que teria sido vítima da síndica, que tentou forjar a prática de falta grave mediante obtenção desse atestado, não vingou. Isso porque, ao analisar a prova oral, a julgadora se convenceu de que o trabalhador telefonou para o outro porteiro do condomínio, avisando que um amigo entregaria o documento. Nesse sentido, foram os depoimentos colhidos. Conforme observou a magistrada, o fato de o porteiro ter registrado no livro de ocorrências que iria faltar em nada o auxilia, já que a obrigação mais essencial do contrato de emprego é a prestação de serviços e apenas as ausências motivadas são autorizadas. Ademais, o porteiro não demonstrou que obteve autorização da síndica para faltar nove dias.

Nesse contexto, a magistrada esclareceu que a apresentação de documento falso ao empregador, além de ser crime previsto no artigo 304 do Código Penal, justifica a aplicação de justa causa ao trabalhador. Isso porque se trata de falta grave o suficiente para acarretar a quebra de confiança necessária à continuação do pacto, com aplicação da penalidade extrema, sendo a pena proporcional ao ato praticado.

Fonte: TRT 3ª Região

Mais artigos...

  1. Online 47 - Aviso-prévio proporcional ao tempo de serviço também pode ser aplicado a favor do empregador
  2. Online 46 - Aviso-prévio proporcional ao tempo de serviço também pode ser aplicado a favor do empregador
  3. Online 44 - Portaria Regulamenta as Prerrogativas da Advocacia no Âmbito do Ministério do Trabalho
  4. Online 43 - STF considera inviável recálculo de aposentadoria por desaposentação sem previsão em lei
  5. Online 42 - Suspensos os efeitos de decisão em dissídio coletivo julgado sem a concordância do sindicato patronal
  6. Online 41 - STF suspende todos os processos e decisões trabalhistas sobre ultratividade de acordos
  7. Online 40 - Adicionais de insalubridade e periculosidade não são acumuláveis, diz TST
  8. Online 39 - Servente da MGS que limpava celas e banheiros coletivos em delegacia de polícia receberá adicional de insalubridade
  9. Online 38 - Recuperação judicial da empresa não impede prosseguimento da execução contra os sócios na JT
  10. Online 35 - Motorista de empresa logística não entra em cálculo de cota de aprendiz
  11. Online 33 - Supremo admite jornada de trabalho de 12 horas
  12. Online 31 - TRF-3 autoriza uso do FGTS em caso de doença grave de filho
  13. Online 30 - Divulgado o novo cronograma oficial do eSocial
  14. Online 29 - Resolução n.º 2 dispõe sobre o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) e prorroga sua implantação
  15. Online 28 - Terceirizadas devem contratar aprendizes
  16. Online 27 - Previdência privada não pode ser penhorada para quitar dívida trabalhista
  17. Online 26 - Tempo gasto no deslocamento para o refeitório não gera hora extra
  18. Online 25 - Turma entende não ser discriminatória dispensa de gestante ao fim do contrato de experiência se empregador não tinha ciência da gravidez
  19. Online 24 - Tomadora de serviço pode ser executada antes de sócios de terceirizada
  20. Online 23 - Justiça do Trabalho promove mutirão para garantir pagamento de dívidas trabalhistas
  21. Online 22 - Ministra Kátia Arruda defende o cumprimento da Lei da Aprendizagem em audiência pública na Câmara dos Deputados
  22. Online 21 - Cláusula que previa prorrogação automática de contrato de experiência é considerada nula
  23. Online 20 - Oficial de manutenção que limpava caixas de esgoto e gordura em laboratórios ganha adicional de insalubridade
  24. Online 19 - Professores da UFMG são contra aprovação do novo Código Comercial
  25. Online 18 - A Correção Monetária dos Débitos Trabalhistas
  26. Online 17 - Depósitos recursais têm novos valores a partir de 1º de agosto
  27. Online 16 - Vigia não tem direito a adicional de periculosidade de 30% pago a vigilantes
  28. Online 15 - Convenção de trabalho deve ser do estado onde o trabalhador atua
  29. Online 14 - Revista realizada de forma impessoal e geral a todos os empregados não configura dano moral
  30. Online 13 - eSocial em setembro é inviável; novos prazos são discutidos
  31. Online 12 - Débitos trabalhistas devem ser corrigidos pela TR, decide STF
  32. Online 11 - Ministério do Planejamento faz consulta pública para reformular IN nº 02/2008
  33. Online 10 - Alíquota do SAT varia para filiais com CNPJ's e graus de risco diferentes
  34. Online 09 - Tempo gasto com uniforme é computado como hora extra
  35. Online 08 - Garantidos o benefício de prestação continuada à criança com microcefalia e licença-maternidade de 180 dias à mãe de criança acometida por sequelas neurológicas causadas pelo Aedes aegypti
  36. Online 07 - Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle Institui, por Portaria, Grupo de Trabalho para Formular Propostas de Revisão da Lei de Licitações
  37. Online 06 - Ente estatal só pode responder por terceirizado se culpa for comprovada
  38. Online 05 - Turma aplica Súmula 48 do TRT-MG e absolve de multa empresa que fez depósitos rescisórios no prazo certo e homologação tardia
  39. Online 04 - TJP 09 e Súmulas 54 e 55 do TRT-MG pacificam questões envolvendo execução de empresas em recuperação judicial
  40. Online 03 - Após dispensa, empresa pode preencher vaga de deficiente em outra filial
  41. Online 02 - Orientação Normativa n.º 2 visa o aperfeiçoamento dos procedimentos realizados nos pregões eletrônicos
  42. Online 01 - TST livra empresa de multa por não cumprimento de cota de deficientes

Rua Uberlândia, 877, Carlos Prates, Belo Horizonte - Minas Gerais - CEP 30710-230
Telefax: (31) 3278-3008 

Horário de Funcionamento:
Segunda à sexta-feira das 8 às 12h e das 13 às 17 horas

by MacWeb Solutions