SEAC-MG SEAC-MG

Online 54 - Empresa só é obrigada a emitir CAT se acidente afastar o empregado do serviço por mais de 15 dias

Online nº 54

A emissão da Comunicação de Acidente do Trabalho, a conhecida CAT, é obrigação do empregador. Mas, se o acidente de trabalho ou doença a ele equiparada não afastar o empregado do serviço por tempo superior a 15 dias o empregador não estará obrigado a emitir a CAT. Com esse entendimento, a 3ª Turma do TRT-MG julgou favoravelmente o recurso de uma empresa de "soluções em equipamentos" para julgar improcedente a ação civil pública interposta contra ela pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

A decisão de primeiro grau acolheu os pedidos do MPT para condenar a empresa a expedir Comunicações de Acidentes de Trabalho (CATs) sempre que seus empregados sofressem lesões corporais leves ou levíssimas ou problemas de saúde decorrentes do trabalho, independente do tempo afastamento do serviço ou todo período de afastamento, sob pena de multa de R$ 20.000,00 por acidente não comunicado na forma da lei. A ré também foi condenada a afixar cartazes em todos os quadros de avisos do seu estabelecimento para dar ampla ciência aos empregados sobre essas obrigações determinadas na sentença.

Mas, de acordo com o desembargador Milton Vasques Thibau de Almeida, cujo posicionamento foi acolhido pela Turma, em afastamentos do trabalho inferiores a 15 dias, não há exigibilidade de emissão de CAT pelo empregado. Isso porque, nessas situações, faz parte do poder diretivo do empregador avaliar extrajudicialmente a ocorrência de suposto acidente do trabalho. E, no caso, os registros extraídos pelo MPT, a respeito dos controles e investigação de incidentes elaborados pela empresa nos anos de 2014 e 2015, consignavam afastamentos inferiores a 15 dias, quando não contavam que o incidente sequer chegou a gerar ausência ao trabalho. Nesse quadro, a Turma deu provimento ao recurso da empresa, para julgar improcedente a ação civil pública e absolvê-la das condenações que lhe foram impostas na sentença.

"O empregador detém poder diretivo para, não apenas determinar as medidas preventivas dos acidentes do trabalho, mas também para avaliar extrajudicialmente o enquadramento legal da definição de acidente do trabalho aos eventos supostamente acidentários que lhes são apresentados pelos seus empregados, principalmente se os afastamentos não excedam 15 (quinze) dias (hipótese de interrupção do contrato de trabalho - artigo 473 da CLT c/c artigo 60, § 3º, da Lei nº 8.213, de 1991) e a empresa dispuser de serviço médico próprio ou em convênio", destacou o julgador. Ele acrescentou que o artigo 60, § 4º, da Lei nº 8.213, de 1991 é claro ao dispor que o empregador somente deve encaminhar o segurado à perícia médica da Previdência Social quando a incapacidade ultrapassar 15 dias. Assim, o auxílio-enfermidade pago pelo empregador com duração inferior a 15 dias não gera obrigação de emissão da CAT, frisou.

Além disso, o desembargador explicou que a emissão da CAT (Comunicado de Acidente do Trabalho) não decorre de uma imposição legal inflexível, já que o artigo 22 da Lei nº 8.213, de 24/07/1991, em seu § 2º, faculta ao empregador o direito de omissão na emissão desse documento, elegendo outras pessoas que também podem emitir a CAT e apenas penalizando o empregador com uma multa administrativa (§ 5º) à exceção da hipótese prevista no caput do artigo 21-A (acidente do trabalho por equiparação).

PJe: Processo nº 0010645-07.2015.5.03.0081 (RO). Acórdão em: 08/09/2016
Fonte: TRT-MG

Online 53 - Em caso de trabalho perigoso ou insalubre, prova pericial é imprescindível

Online nº 53

É imprescindível a realização de prova pericial quando da alegação de labor em condições periculosas ou insalubres. Essa é a jurisprudência da 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região estabelecida em análise de Recurso Ordinário que teve relatoria da desembargadora Maria Isabel Cueva Moraes.

No caso analisado, o pedido de perícia do reclamante havia sido negado pelo juiz de primeira instância. Ele se baseou nos artigos 130 do então vigente Código de Processo Civil e 765 da CLT, que falam sobre a liberdade dos juízes na determinação de provas necessárias ao processo.

Porém, nos casos de perícia para periculosidade e insalubridade não há essa discricionariedade. Isso porque o parágrafo 2º do artigo 195 do Texto Consolidado é imperativo ao prever que "o juiz ‘designará’ perito habilitado para tanto". Além disso, a Orientação Jurisprudencial 278 SDI1 TST diz que "a realização de perícia é obrigatória para a verificação de insalubridade".

Então, com base nesses regramentos, os membros da 4ª Turma decidiram dar provimento ao pedido e declarar a nulidade do processo a partir do indeferimento da prova pericial. Agora, o processo retornará à vara trabalhista de origem para produção da prova pericial referente à insalubridade.

Fonte: Revista Consultor Jurídico

Mais artigos...

  1. Online 52 - Pareceres em matéria trabalhista formulados desde 1950 estão disponíveis na internet
  2. Online 51 - Estado só responde por terceirização com prova de culpa na fiscalização
  3. Online 50 - Portaria MPOG n.º 409 dispõe sobre as garantias contratuais ao trabalhador na execução indireta de serviços e os limites à terceirização de atividades
  4. Online 49 - Cálculo para aprendizes deve levar em conta porteiros e faxineiros, define TST
  5. Online 49 - Turmas analisam validade de normas coletivas com base nos limites da autonomia negocial dos sindicatos
  6. Online 48 - Porteiro de condomínio que entregou atestado médico falso não consegue reversão da justa causa
  7. Online 47 - Aviso-prévio proporcional ao tempo de serviço também pode ser aplicado a favor do empregador
  8. Online 46 - Aviso-prévio proporcional ao tempo de serviço também pode ser aplicado a favor do empregador
  9. Online 44 - Portaria Regulamenta as Prerrogativas da Advocacia no Âmbito do Ministério do Trabalho
  10. Online 43 - STF considera inviável recálculo de aposentadoria por desaposentação sem previsão em lei
  11. Online 42 - Suspensos os efeitos de decisão em dissídio coletivo julgado sem a concordância do sindicato patronal
  12. Online 41 - STF suspende todos os processos e decisões trabalhistas sobre ultratividade de acordos
  13. Online 40 - Adicionais de insalubridade e periculosidade não são acumuláveis, diz TST
  14. Online 39 - Servente da MGS que limpava celas e banheiros coletivos em delegacia de polícia receberá adicional de insalubridade
  15. Online 38 - Recuperação judicial da empresa não impede prosseguimento da execução contra os sócios na JT
  16. Online 35 - Motorista de empresa logística não entra em cálculo de cota de aprendiz
  17. Online 33 - Supremo admite jornada de trabalho de 12 horas
  18. Online 31 - TRF-3 autoriza uso do FGTS em caso de doença grave de filho
  19. Online 30 - Divulgado o novo cronograma oficial do eSocial
  20. Online 29 - Resolução n.º 2 dispõe sobre o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) e prorroga sua implantação
  21. Online 28 - Terceirizadas devem contratar aprendizes
  22. Online 27 - Previdência privada não pode ser penhorada para quitar dívida trabalhista
  23. Online 26 - Tempo gasto no deslocamento para o refeitório não gera hora extra
  24. Online 25 - Turma entende não ser discriminatória dispensa de gestante ao fim do contrato de experiência se empregador não tinha ciência da gravidez
  25. Online 24 - Tomadora de serviço pode ser executada antes de sócios de terceirizada
  26. Online 23 - Justiça do Trabalho promove mutirão para garantir pagamento de dívidas trabalhistas
  27. Online 22 - Ministra Kátia Arruda defende o cumprimento da Lei da Aprendizagem em audiência pública na Câmara dos Deputados
  28. Online 21 - Cláusula que previa prorrogação automática de contrato de experiência é considerada nula
  29. Online 20 - Oficial de manutenção que limpava caixas de esgoto e gordura em laboratórios ganha adicional de insalubridade
  30. Online 19 - Professores da UFMG são contra aprovação do novo Código Comercial
  31. Online 18 - A Correção Monetária dos Débitos Trabalhistas
  32. Online 17 - Depósitos recursais têm novos valores a partir de 1º de agosto
  33. Online 16 - Vigia não tem direito a adicional de periculosidade de 30% pago a vigilantes
  34. Online 15 - Convenção de trabalho deve ser do estado onde o trabalhador atua
  35. Online 14 - Revista realizada de forma impessoal e geral a todos os empregados não configura dano moral
  36. Online 13 - eSocial em setembro é inviável; novos prazos são discutidos
  37. Online 12 - Débitos trabalhistas devem ser corrigidos pela TR, decide STF
  38. Online 11 - Ministério do Planejamento faz consulta pública para reformular IN nº 02/2008
  39. Online 10 - Alíquota do SAT varia para filiais com CNPJ's e graus de risco diferentes
  40. Online 09 - Tempo gasto com uniforme é computado como hora extra
  41. Online 08 - Garantidos o benefício de prestação continuada à criança com microcefalia e licença-maternidade de 180 dias à mãe de criança acometida por sequelas neurológicas causadas pelo Aedes aegypti
  42. Online 07 - Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle Institui, por Portaria, Grupo de Trabalho para Formular Propostas de Revisão da Lei de Licitações
  43. Online 06 - Ente estatal só pode responder por terceirizado se culpa for comprovada
  44. Online 05 - Turma aplica Súmula 48 do TRT-MG e absolve de multa empresa que fez depósitos rescisórios no prazo certo e homologação tardia
  45. Online 04 - TJP 09 e Súmulas 54 e 55 do TRT-MG pacificam questões envolvendo execução de empresas em recuperação judicial
  46. Online 03 - Após dispensa, empresa pode preencher vaga de deficiente em outra filial
  47. Online 02 - Orientação Normativa n.º 2 visa o aperfeiçoamento dos procedimentos realizados nos pregões eletrônicos
  48. Online 01 - TST livra empresa de multa por não cumprimento de cota de deficientes

Rua Uberlândia, 877, Carlos Prates, Belo Horizonte - Minas Gerais - CEP 30710-230
Telefax: (31) 3278-3008 

Horário de Funcionamento:
Segunda à sexta-feira das 8 às 12h e das 13 às 17 horas

by MacWeb Solutions